Arquivo do autor:admin

O que fazer no primeiro estágio?

Muitos estudantes querem colocar em prática toda a teoria que é apresentada em sala de aula o quanto antes e entrar logo no mercado de trabalho.

O primeiro estágio pode ser esse primeiro passo para o sucesso no mercado de trabalho e para a carreira profissional. Suas ações nessa primeira experiência no mercado de trabalho são muito importantes, então para que a empresa, profissionais do setor e demais colaboradores tenham uma boa impressão de você fique atento ao seu comportamento. Suas atitudes podem fazer muita diferença em uma possível efetivação, melhores indicações e referências para oportunidades futuras.

Por ser algo novo é totalmente normal a pessoa se sentir nervosa e muito ansiosa, mesmo depois de passar pelas entrevistas e todo o processo seletivo, inclusive a parte de documentação, e isso pode vir a afetar o desempenho inicial. Por isso separamos algumas dicas que podem te ajudar nessa experiência.

  • DICAS PARA O PRIMEIRO ESTÁGIO

Seja pontual

Ser pontual não vale apenas para o primeiro dia do estágio. Tanto no primeiro dia quanto nos meses seguintes durante todo o seu estágio evite faltas e atrasos, pois essas situações com frequência, certamente, irão trazer o rótulo de estagiário descomprometido e irresponsável. Isso, com toda certeza, impossibilitará boas referências e pode trazer a finalização do seu estágio.

Todos sabem que imprevistos acontecem, por isso você deve ser responsável. Nesses casos, avise ao seu superior o que está acontecendo atrasando-o ou impossibilitando sua ida. Deixe tudo bem claro, o que está acontecendo e se possível uma estimativa de horário de chegada em caso de atraso.

É ideal também que mostre bom senso e sugira ao seu superior repor o tempo em que você não trabalhou. Isso mostrará a todos que você não está desinteressado ou fazendo “corpo mole” e que na verdade está muito comprometido e levando a sério sua função na empresa.

Seja proativo e tome iniciativa

O que é mais importante no seu estágio é a oportunidade de aprendizado e crescimento que essa experiência irá te proporcionar durante a execução de sua função.

Então, é importante que trate essa experiência como se fosse seu primeiro emprego, demonstrando responsabilidade, proatividade e iniciativa sobre seu trabalho. Não tenha vergonha de tirar suas dúvidas sobre o que deve fazer, seus colegas entendem que você é um estagiário e está aprendendo sobre o serviço, e tente colocar em prática o que é aprendido na sala de aula.

Seja proativo também para buscar conhecimento. Demonstre interesse para entender melhor o funcionamento do setor e a importância da sua função para a empresa. Lembre-se sempre que deve ser proativo, porém, como bom senso e tenha cuidado para não atrapalhar os demais membros da equipe.

Concilie os estudos e o estágio

Não fique pensando que estudar no estágio como algo positivo, que irão olhar para você como se fosse uma pessoa esforçada por estar demonstrando que estuda.

Você foi contratado pela empresa, ou seja, ela espera que você trabalhe para ajudá-la, ela precisa de você. Usar o tempo que deveria estar trabalhando para estudar não é uma atitude muito bem-vista. O período de estágio deve ser um complemento ao aprendizado de sua formação, então você deve aproveitar essa oportunidade para agregar benefícios as suas competências profissionais.

Cada coisa tem o seu momento, não faça da empresa sua sala de aula (literalmente) e não faça a sala de aula de empresa. Administre seu tempo de forma adequada para que consiga fazer suas atividades em seus devidos locais e momentos.

Faça networking

Tanto a faculdade quanto o estágio, são ambientes que trazem a oportunidade de conseguir bons contatos profissionais. Aproveite isso, demonstre interesse em atividades que necessitam de equipe e mantenha uma boa relação com todos: superiores, colegas de trabalho, professores e colegas de classe.

Isso pode ajudar a conseguir boas oportunidades profissionais no futuro.

Seja curioso desde o início

Antes de iniciar a oportunidade de estágio, faça uma pesquisa na internet sobre a empresa, saiba mais sobre sua história, trajetória e cultura, entenda sua visão, missão e objetivo.

Já dentro da empresa, procure entender melhor sobre como deve se portar e atuar em sua função, busque em seus superiores e orientadores algumas experiências profissionais e fique sempre atento quando for conhecer o local de trabalho.

Durante todo o período de estágio, mantenha a curiosidade no trabalho e em relação a empresa. Isso certamente irá gerar confiança por parte dos seus colegas de trabalho.

Seja discreto

Ser discreto pode ajudar a ter bons relacionamentos profissionais. Tente ser mais observador em seu início nesse primeiro momento, tente conhecer e ser conhecido pelos colegas de trabalho.

Nesse momento escute mais e fale menos. Ser extremamente comunicativo e extrovertido pode atrapalhar o ambiente de trabalho e dar uma impressão errada sobre você.

Claro que conversar, cumprimentar, ser educado e simpático com os colegas de trabalho é algo positivo, mas é fundamental o equilíbrio principalmente dentro da empresa.

Procure por feedback

Manter um contato com seus coordenadores e superiores, solicitar e aceitar avaliações negativas sobre suas atitudes profissionais é algo muito maduro que certamente irá ajudar em como você é visto no ambiente profissional e aprendizado durante o estágio. Tratar os feedbacks recebidos de forma positiva irá garantir o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Seja responsável

Ser responsável é uma das principais qualidade de bom profissional, por isso, também deve ser uma das principais qualidades de um bom estagiário. Ser alguém sensato, cumprir com suas tarefas em dia, não ser negligente com suas funções e trabalhar com compromisso iram mostrar como você é responsável e pode fazer muita diferença em seu futuro.

Tenha uma comunicação adequada

Dentro do ambiente de trabalho fique atento a forma como se comunica. Digite os e-mails de maneira formal, séria de acordo com os padrões da empresa, mantenha uma conversa respeitosa com todos os funcionários, evite gírias e palavrões, tome cuidado com brincadeiras e mantenha uma postura educada.

O primeiro estágio é sua entrada no mercado de trabalho e um momento de diversas descobertas. Sendo essa oportunidade bem aproveitada irá ajudar muito em sua carreira profissional, fazendo com que entenda melhor, desde o início, o funcionamento de um ambiente corporativo.

Muitas das condutas que você tiver nessa experiência, provavelmente, serão levadas para o resto da vida, apenas adaptando em cada situação, então leve a sério seu estágio e seja o melhor profissional que você pode ser.

Inteligência Emocional

O termo inteligência emocional vem sendo cada vez mais usado e você pode já ter ouvido ou lido em algum lugar, mas você sabe dizer o que é?

O acesso ao conhecimento está mais fácil, as hard skills (habilidades técnicas) são cada vez mais absorvidas com a ajuda da internet e com isso as soft skills (habilidades comportamentais) vem ganhando cada vez mais destaque.

A maioria das pessoas sabem que para que alguém seja bem-sucedido na vida profissional ou acadêmica é necessário dedicação, esforço e disciplina, mas muito não sabem a importância das habilidades comportamentais e principalmente da inteligência emocional.

 

  • O que é inteligência emocional?

Inteligência emocional é o conjunto de competências relacionadas a lidar com emoções, mais especificamente como e quando se percebe, processa, compreende e as gerencia.

O termo “inteligência emocional” foi aplicado pela primeira vez em documentos científicos no ano de 1966, em um artigo do psicólogo americano Hanskare Leuner. Porém, sua concepção só foi aprofundada em 1989, primeiro pelo psiquiatra infantil Stanley Greenspan e, posteriormente, em 1990, pelos psicólogos Peter Salovey e John Mayer, mas a maior difusão do termo foi com Daniel Goleman e seu livro “Inteligência Emocional” em 1995.

Podemos tratar a inteligência emocional como uma habilidade comportamental que pode e deve ser desenvolvida. Essa habilidade, quando bem trabalhada, favorece o bom relacionamento entre as pessoas, permitindo um maior entendimento nas relações pessoais, e a melhor interação (e comunicação) no trabalho, além disso, influência, de forma positiva, a saúde física e mental. Ela previne transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão, bem como distúrbios psicossomáticos.

 

  • Os pilares da inteligência emocional.

Daniel Goleman definiu 5 pilares para o funcionamento da inteligência emocional, são eles:

Autoconhecimento emocional

Não somos robôs, somos seres humanos dotados de sentimentos. Mesmo que alguns digam que possuem um coração de pedra, a emoção está presente em cada um de nós.

O desafio é aprender a ouvir e a conhecer os nossos próprios sentimentos e estarem a tentos a eles.

Controle emocional

A parte mais difícil não é reconhecer os sentimentos, mas sim saber como lidar com eles. Esse controle pode fazer total diferença e aqueles que não possui essa habilidade, pode acabar por estar dependente delas e não possui real domínio da própria vida.

Isso significa uma instabilidade a cada curva, especialmente se ela tiver obstáculos.

 

Automotivação

É a nossa capacidade de redirecionar um sentimento para obter algum ganho pessoal. Podemos dar como exemplo, manter a serenidade e a calma na hora de realizar nossas atividades profissionais ou acadêmicas para que, no final do dia, venha aquela sensação de dever comprido.

Empatia

Os outros também possuem sentimentos e emoções que precisam ser respeitadas. É essa preocupação com o que o outro sente que faz surgir as relações pessoais mais sinceras.
É olhar sem julgamento prévio e tentar entender o que levou a pessoa a agir daquela forma.

Relacionamentos interpessoais

As trocas e as interações são frutos da nossa capacidade de também gerir o sentimento do outro. Sem os relacionamentos humanos, não existiria a vida em sociedade e todos os elementos positivos e negativos que esse compartilhamento de emoções possibilita.

  • Qual a importância da inteligência emocional?

O indivíduo que possui inteligência emocional, tem uma probabilidade muito maior de ter uma vida mais saudável, já que, consegue equilibrar melhor a razão e os sentimentos, neutralizando algumas emoções negativas e reduzindo comportamentos prejudiciais, assim como, criar emoções positivas e potencializar elas.

Nossas emoções são contagiosas para o bem ou para o mal e podem levar a um efeito em cadeia ao nosso redor. Por exemplo, quando no escritório alguém chega extremamente estressado ou nervoso, tanto que em suas atitudes e gestos é notável a situação. Inconscientemente os demais presentes em torno são afetados e começam ou agir de forma estressada, mesmo não tendo motivos para isso.

Com inteligência emocional você pode reduzir esses efeitos e ainda ser um líder inspirador e tentar mudar o clima no local.

  • Dicas para desenvolver inteligência emocional

Em todo lugar, seja trabalho, escola, faculdade, curso, shopping e até em casa, temos que lidar com todo tipo de gente com formas de pensar, culturas, manias e atitudes diferentes. Além de lidar com pessoas diferentes, ainda devemos gerenciar a nós mesmo.

A inteligência emocional pode ser desenvolvida em todas essas situações, ou seja, nos diferentes momentos da nossa vida. No entanto, para descobrir como fazer isso, é preciso tomar consciência de si para lidar com as adversidades da melhor maneira possível.

Veja abaixo algumas dicas para desenvolver inteligência emocional:

 

Observe você mesmo

Observe e analise seu próprio comportamento. Explorar seu próprio comportamento, é necessário avaliar-se com calma, em alguns momentos, a observação deve ocorrer quando as situações se colocarem diante de você, independentemente de serem boas ou ruins para que possa fazer um autoconhecimento. Fique atento as reações do corpo e da mente.

Depois, em um segundo momento, analise a situação e defina se a experiência foi bem aproveitada de acordo com o q foi sentido e se poderia agir de outra forma.

Domine seus impulsos

Independentemente de a pessoa ser enérgica ou tranquila, ninguém está livre das emoções e de reações impulsivas no calor do momento.

Essas reações impulsivas são naturais em nós, mas o cérebro humano precisa se adaptar à sua nova realidade evolutiva e reconhecer que atitudes impulsivas podem gerar desconforto nas relações.

O ideal é dominar os impulsos e as emoções antes de tomar decisões ou dizer alguma coisa. Tente recobrar a calma e a razão em vez de simplesmente deixar o instinto atuar.

Trabalhe as emoções negativas

Lidar com emoções negativas é algo inevitável e para o bem-estar próprio é necessário saber lidar com essas emoções

Quando emoções negativas como raiva, medo, insegurança e tristeza, por exemplo, aparecem, é preciso dominá-las e não permitir que elas nos controlem. Nesse ponto, se houver dificuldades, a intervenção de um bom psicólogo pode ser uma opção de ajuda.

Não tenha medo de se expressar

Todos já passamos por situações em que não conseguimos interpretar a ideia ou explicação de um amigo, colega de trabalho ou qualquer pessoa.

A melhor forma de evitar essas situações é se expressando. A Inteligência Emocional precisa da interpretação própria e dos demais e expressar os sentimentos, comunicação clara e direta ajuda a evitar desentendimentos.

O diálogo esclarece pontos de vistas, possibilita o debate sobre qualquer questão e a fala é o caminho mais seguro para o entendimento.

Desenvolva a empatia

Nada melhor para compreender o outro do que colocar-se na pele dele. Isso ajuda a pessoa a entender suas atitudes e a ser mais tolerante e compreensiva. Com isso é possível entender que todos tem necessidades, limitações e falhas, assim como qualidades e talentos.

Esse exercício de sentimento de solidariedade traz respeito mútuo que surgi naturalmente com aqueles que a empatia é praticada.

Com inteligência emocional você dá um passo em direção ao sucesso profissional e ao bem-estar em sua vida pessoal. Os benefícios dessa habilidade são muitas e vão surgindo enquanto a habilidade é desenvolvida. Trate as dicas para o desenvolvimento dessa habilidade como rotineiras.

Perfis Comportamentais

Cada indivíduo é diferente do outro. A cultura, criação e comportamento é única e assim gerando um conjunto de características de formam a personalidade e comportamento de cada um.

Geralmente as pessoas apresentam mais de um perfil, porém há sempre aquele que é dominante na vida do indivíduo. Entender o próprio e outros perfis comportamentais, ajuda a respeitar as diferenças, que é fundamental para convivência, e também pode ser um diferencial para desenvolver e potencializar suas habilidades.

Então vamos falar mais nessa postagem sobre o que é perfil comportamental e seus tipos.

 

  • O que é perfil comportamental?

De acordo com o dicionário, comportamento significa “procedimento de alguém face a estímulos sociais ou a sentimentos e necessidades íntimos ou uma combinação de ambos.”, ou seja, perfil comportamental é compreender e identificar quais são as ações do indivíduo de acordo com estímulos em situações específicas. Cada um reage de forma diferente para cada situação.

Por exemplo: existem profissionais que trabalham melhor em grupo e sendo mais produtivo estando sobre pressão, existem também aqueles profissionais que são mais individuais e trabalhando com calma entregando seu serviço de forma antecipada. Cada um tem seu perfil comportamental.

  • Os 4 perfis comportamentais

Basicamente, existem quatro perfis: comunicador, executor, planejador e analista. Entre eles há várias combinações possíveis de predominâncias de diferentes níveis para os perfis.

Comunicador

Os comunicadores são extrovertidos, falantes, ativos e não apreciam monotonias, mas têm boa capacidade adaptativa. Esse tipo de perfil tem aptidão na comunicação e passa de um assunto a outro com rapidez. Além disso, gosta de trabalhos que envolvam movimentação e autonomia. Outra característica é serem altamente otimistas e positivos em relação aos resultados a serem alcançados.

No que se refere aos colegas, é um indivíduo de bons relacionamentos, e costuma influenciar outras pessoas rapidamente e contagiá-las com seu ponto de vista favorável.

A pessoa com esse perfil ainda é bastante aberta e receptiva ao trabalho. Os comunicadores atuam em equipe, costumam unir as pessoas ao seu redor e apaziguar o ambiente quando há conflitos.

 

Executores

Os executores são ativos, otimistas e dinâmicos. Líderes natos, não têm medo de assumir riscos e de enfrentar desafios. Além disso, são trabalhadores, eles tendem a ter uma enorme disposição física, e demonstrando muita determinação e perseverança.

Defendendo sempre seus pontos de vista, os executores são bastante corajosos, mas também podem ser ditatoriais e autoritários. O executor consegue contornar os desafios e tornar realidade o que for preciso. Para isso, também demonstra elevada autoconfiança, além de ser objetivo, determinado e focado em resultados.

Planejadores

Os planejadores são calmos, tranquilos, cuidadosos e tendem a ser autocontrolados. Gostam de rotina e atuam em conformidade com normas e regras estabelecidas, por isso, sentem-se bem quando estão acompanhados de pessoas mais ativas e dinâmicas. Além disso, são flexíveis, seu caráter e ritmo são constantes e disciplinados. Ainda, são pacientes, observadores e passivos.

Gostam de ajudar as outras pessoas e, por isso, tendem a trabalhar bem em equipe. São pacientes e não apresentam altos e baixos nas suas atividades. Com suas características, esse profissional é de fácil convivência e bastante confiável. Sempre evita conflitos diretos e costuma ter um bom senso de justiça.

Analistas

Os analistas são preocupados, rígidos, porém, calmos. Seu comportamento com as pessoas é discreto. Geralmente, são indivíduos calados e retraídos. São pessoas com a capacidade de controlar rotinas repetitivas e processos executados diariamente. Também adoram mapear, analisar e aperfeiçoar fluxos de trabalho para garantir que tudo seja realizado da melhor maneira possível.

  • Qual a importância de saber o perfil comportamental?

Conhecer o perfil comportamental pode trazer benefícios tanto para o profissional, quanto para a empresa.

Para a empresa:

A empresa que compreende os perfis dos seus profissionais fica ciente dos potenciais e talentos que estão a sua disposição. Com esse diagnóstico, a gestão pode alocar cada profissional para cargos e setores adequados e traçar estratégias que visem o aumento de produtividade da equipe.

Além disso é possível reduzir turnover, melhora em procedimentos operacionais, identificação de necessidade de capacitações e treinamento.

Para o profissional:

Saber o perfil comportamental ajuda o profissional a entender como ele próprio age, fortalecer sua autoestima e assim potencializar suas habilidades e diferenciais, destacando suas competências.

  • Como identificar o perfil comportamental?

Como já dissemos, cada pessoa é diferente da outra e ninguém tem apenas um perfil comportamental. Existem várias formas com testes e entrevistas para se identificar o perfil comportamental de cada um, aqui citaremos alguns métodos para isso.

Teste de comportamento

O principal objetivo de testes comportamentais é trazer autoconhecimento e autoavaliação da atual situação do profissional. Existem diversas formas desse teste ser aplicado e construído, podendo ser adaptado de acordo com a necessidade da ocasião.

Por ser tão adaptável os testes podem conter perguntas subjetivas ou objetivas e aplicados de várias formas, como por exemplo: entrevista, teste online, dinâmica de grupo, simulação e outras técnicas usadas pelos recursos humanos.

Entrevista comportamental STAR

A metodologia STAR tenta identificar como um profissional lida com exemplos de situações específicas e concretas em seu âmbito profissional.

STAR é uma sigla e cada letra tem um significado, são eles:

S – Situação

T – Tarefa

A – Ação

R – Resultado

Toda resposta deve passar por cada letra. Todas as situações verificadas pela metodologia STAR demonstram bem qual é o comportamento do indivíduo.

Análise comportamental DISC

Essa metodologia usa um questionário de perguntas objetivas. O questionário é aplicado com perguntas diretas que contêm diferentes alternativas e a análise é feita com base nas respostas aplicadas.

O propósito é descobrir o modelo mental da pessoa, isto é, como ela pensa e age. Assim, é possível fortalecer a autoestima, destacar as competências de liderança, potencializar diferenciais e habilidades, reduzir as falhas e aperfeiçoar os resultados alcançados.

A metodologia leva esse nome por afirmar que existem quatro traços básicos de comportamento nas pessoas:

D – Dominância

I – Influência

S – eStabilidade

C – Complacência

Esse método é considerado como um dos mais precisos para diagnosticar as potencialidades profissionais.

Observação de atitudes dos profissionais

Essa análise geralmente e feita dentro de empresas. A análise de como os profissionais se portam no ambiente de trabalho é uma forma bastante precisa de saber qual é seu perfil.

Tenha em mente que algumas características nem sempre serão evidenciadas na entrevista ou em testes comportamentais. Nesses casos, a avaliação do cotidiano é a melhor ferramenta, porque indica quem trabalha melhor sob pressão, quem é mais organizado ou quem planeja com antecedência e assim por diante.

Como e porque se preparar para o mercado de trabalho?

Muitas pessoas colocam como uma das metas de vida o sucesso profissional, que não é difícil de entender o porquê, já que essa meta pode trazer grandes benefícios a vida pessoal e profissional dessa pessoa. Porém, devemos lembrar que essa meta não é alcançada do dia para noite. Tudo começa ao entrar no mercado de trabalho e se destacando nele.

Para entrar ou se destacar no mercado de trabalho é importante estar preparado e assim alcançar o sucesso profissional. Esse sucesso pode ser alcançado a partir de informação e desenvolvimento profissional.

Há também a necessidade de atenção sobre que as características exigidas pelas empresas mudaram. Antigamente bastava um bom currículo para se conquistar uma vaga de emprego, hoje algumas habilidades são mais importantes do que as informações que estão no currículo.

Vamos entender mais sobre o mercado de trabalho e como se preparar para ele.

 

  • O que é mercado de trabalho?

O mercado de trabalho é o relacionamento entre as empresas que oferecem vagas de emprego e pessoas que buscam por essas oportunidades, mesmo para cargos abertos em companhias públicas quanto privadas, de todos os portes e áreas de atuação. Ou seja, o mercado de trabalho implica na interação que existe entre a mão de obra e empregadores.

Deve ser lembrado também que o mercado de trabalho é dividido em duas classificações:

Trabalho formal – se caracteriza pelo registro na carteira de trabalho, por legalidades trabalhistas e pela contribuição à previdência social.

Trabalho Informal – não tem registro, e o profissional não paga a contribuição previdenciária. Essa modalidade tem crescido muito no Brasil nos últimos anos. Isso tem causado prejuízos à previdência pública, porque não há entrada de dinheiro suficiente para o pagamento das aposentadorias.

 

  • Setores do mercado de trabalho.

Podemos dizer que o mercado de trabalho é dividido em três setores: primário, secundário e terciário. Conheça um pouco sobre cada um deles a seguir.

 

Setor primário

É o setor em que estão as relações de trabalho que lidam diretamente com a matéria-prima. Como exemplo, estão a pecuária, a agricultura e a extração mineral e vegetal.

 

Setor secundário

É referente às relações de trabalho que lidam com a transformação da matéria-prima, construindo instrumentos utilizáveis, como a construção civil e as indústrias.

 

Setor terciário

Por fim, é no setor terciário que estão as relações de trabalho interpessoais, ou seja, onde existe correspondência entre as pessoas. Nesse sentido, podemos citar a prestação de serviços, como segmento de vendas, hospitais, escolas, bancos etc.

Mesmo com a divisão de trabalhos nos três setores, há uma inter-relação entre elas, ou seja, a matéria prima que é extraída no setor primário é modificada e se transforma em um objeto no setor secundário e posteriormente é comercializada no setor terciário.

 

  • Quais os desafios do mercado de trabalho?

As empresas querem cada vez mais profissionais que estão além de seus currículos, procuram aqueles que aprendam rápido e possam fazer a diferença já no momento da contratação. O acesso à informação está mais fácil, Google está sempre à disposição, que é ótimo para quem quer estudar, se atualizar e se destacar, mas aumenta também a concorrência no mercado de trabalho.

O atual cenário do mercado de trabalho exige que para se destacar, o profissional deva ser proativo, ter pensamento inovador, criativo e encontrar soluções de forma eficiente, ou seja, ter hard skills (habilidades técnicas) e ainda mais soft skills (habilidades comportamentais).

  • Qual a importância de se prepara para o mercado de trabalho?

Para qualquer coisa que fazemos estar preparado nos dará maior possibilidade de sucesso e isso não é diferente nesse caso. Mesmo que o futuro possa trazer situações que não poderíamos prever, estar preparado, nos dará mais chance de contornar situações.

  • Como se preparar para o mercado de trabalho?

Quanto mais cedo você começar a se preparar para o mercado de trabalho, melhor. Acho que não precisamos citar que uma boa formação acadêmica é essencial, segue abaixo então algumas dicas:

 

– Fique atento a avanços tecnológicos

Inovações tecnológicas estão sempre surgindo. A tecnologia é algo que sempre vai evoluir e fazem com que os trabalhos estejam cada vez mais automatizados, por isso é importante entender e saber como usá-las ao seu favor.

 

– Mantenha-se atualizado

Todo profissional deve estar em constante atualização, independentemente de sua área de atuação ou que espera atuar. Em todas as áreas profissionais, surgem novos problemas e junto a isso novas formas de resolver esses problemas que geram mudanças na forma de trabalho.

Podemos dar como exemplo a área de marketing que cada vez mais precisa estar por dentro do mercado digital e aprender o uso de novas ferramentas, ou na área de direito que exige o conhecimento de novas leis.

 

– Saia da zona de conforto

Não podemos estar sempre na zona de conforto. Sabemos que é difícil lidar com coisas novas e em certos momentos podem parecer estranhas e talvez desnecessárias, mas um profissional deve saber quando investir em qualificações e acompanhar as mudanças no mercado.

– Aprenda um idioma

Pode parecer que aprender idioma seja apenas para melhorar seu currículo, mas isso pode ir muito mais além. Saber ler, escreve, compreender e falar uma nova língua traz uma melhor qualificação profissional, você poderá se comunicar com diferentes pessoas, é uma grande vantagem para uma vaga em uma multinacional e amplia suas referências de estudo.

– Faça networking

Ter uma rede de contatos pode trazer diversas oportunidades profissionais, mas não basta apenas ter esses contatos, você deve se tornar referência de uma pessoa de confiança, responsável, criativa e de conhecimento no seu setor.

– Procure bons orientadores

Contar com boa orientação, pode ajudar muito no desenvolvimento profissional e evolução da carreira profissional. Procure orientadores que realmente estejam dispostos para te ajudar. Esses orientadores podem ser um professor na faculdade, um orientador vocacional, seu coordenador no estágio e etc.

Você que está querendo entrar no mercado de trabalho ou já está presente e busca evolução na carreira profissional deve buscar autoconhecimento, se organizar e investir em você mesmo. Investindo em si e colocando em prática suas competências trarão reconhecimento para suas qualidades e assim você será respeitado como um grande profissional.

O que são Hard e Soft Skill?

Parece que todo dia surge uma nova palavra ou termo em inglês no mundo corporativo, como por exemplo soft skills e hard skills.

O mercado de trabalho está sempre se modificando e muito se discute sobre as habilidades essenciais em um colaborador. Muitas empresas começam a buscar mais do que qualificações e competências técnicas, mas também conhecer as aptidões pessoais e comportamentais de cada profissional.

Então todo profissional ou futuro profissional, dentro ou querendo entrar no mercado de trabalho deve entender o que são esses termos e como desenvolver não apenas as qualificações técnicas como suas aptidões pessoais e comportamento.

 

  • O que são Hard Skills?

As hard skills são nossas habilidades técnicas, ou seja, é todo conhecimento técnico adquirido geralmente em sala de aula, cursos, faculdades, livros ou treinamento que recebemos. Essas habilidades são mais fáceis de serem mensuradas, pois há um diploma, certificado, teste, entre outros para provar essa competência do profissional.

Alguns exemplos de hard skills são:

– Graduação em administração;

– Pacote office avançado;

– Operador de máquina;

– Inglês fluente;

– Programação.

 

Na maioria dos casos essas habilidades já constam no currículo do profissional e apenas a partir das informações dessas habilidades eram feitos os recrutamentos e seleções.

  • O que são Soft Skills?

As soft skills são nossas habilidades comportamentais, ou seja, são habilidades pessoais de acordo com nossas aptidões mentais e a capacidade de lidar com fatores emocionais. Elas são mais complicadas de serem medidas e ensinadas por serem adquiridas de acordo com a vivência de cada indivíduo e estarem mais ligadas as capacidades inatas de cada um.

Essas habilidades não podem ser identificadas e nem comprovadas por diplomas ou certificados, mas sim por convivência diária, bate-papo, entrevistas ou pelas dinâmicas em grupo. Mesmo assim esses métodos não garantem a identificação dessas habilidades.

Alguns exemplos de soft skills são:

– Liderança;

– Comunicação;

– Criatividade;

– Resolução de Conflitos;

– Proatividade.

 

A importância dessas habilidades está crescendo cada vez mais, pois as empresas entendem que não adianta profissionais tecnicamente habilidosos e não saberem trabalhar em equipe.

  • Qual a diferença entre essas habilidades?

As hard skills e soft skills são diferentes principalmente pela mensuração. As soft skills são identificadas apenas após um maior conhecimento do profissional, a partir de testes psicológicos e comportamentais ou até com a ajuda da tecnologia. As hard skills são facilmente mensuradas e precocemente procuram em funcionários por serem de mais fácil constatação. O que pode ser um erro, já que em alguns casos o candidato com maior hard skills pode não ser o melhor candidato para aquela vaga.

Cada vez as vagas no mercado de trabalho estão mais exigentes, e as soft skills serão cada vez mais necessárias e analisadas. Quem estiver mais bem preparado, se destacará.

Obviamente que ambas as habilidades são importantes profissionalmente, por melhor que sejam suas hard skills, você terá que ter soft skills no ambiente de trabalho e vice-versa.

  • As soft skills e hard skills podem ser desenvolvidas?

Um profissional completo é aquele que sabe aliar seus conhecimentos técnicos com as suas capacidades pessoais e ainda desenvolver em cada uma delas.

As hard skills são mais simples de serem desenvolvidas, pois como conhecimento técnico, elas são desenvolvidas a partir de estudos como em cursos, graduações, livros, entre outros.

As soft skills são competências um pouco mais complicadas de adquirir e desenvolver, porém não é impossível. Essas competências podem vir por experiências como a vivência profissional ou palestras e incentivos que auxiliam no desenvolvimento de soft skills.

  • Qual a importância dessas habilidades?

Como já foi dito, ambas as habilidades são importantes. É impossível negar as necessidades de conhecimento técnico, mas também não podemos desprezar as habilidades comportamentais e inteligência emocional.

O mundo corporativo não é apenas mecânico, e grande parte do trabalho depende, direta ou indiretamente, do relacionamento interpessoal. Ser capaz de agir com civilidade é um ponto crucial para qualquer organização funcionar sem problemas.

Por outro lado, o conhecimento técnico é fundamental para que o colaborador se mantenha atualizado com as demandas de mercado e amplie o quanto puder suas hard skills, a fim de obter maior qualificação profissional.

Por exemplo, imagine um desenvolvedor que encaixe perfeitamente na equipe de TI, mas não tem domínio sobre as linguagens de programação que são exigidas para aquela empresa ou projeto. Outro exemplo, um vendedor que entende perfeitamente o que está vendendo ou toda a burocracia de venda, porém não tem habilidades comportamentais como persuasão e capacidade de negociação.

Cada caso exigirá mais de um certo de tipo de habilidade do que de outro. Em certar ocasiões as hard skills serão o foco do recrutador e em outros serão as soft skills. O equilíbrio aparentemente é a opção mais viável.

Entretanto, um estudo realizado pela IBM Institute for Business Value em cooperação com a Oxford Economics em dois anos diferentes envolvendo mais de 5 mil correspondentes em 48 países trouxe resultados interessantes. A primeira pesquisa feita em 2016 apontou que a preferência dos gestores era profissionais com maior força nas hard skills, habilidade técnicas. Já na segunda pesquisa feita dois anos depois, em 2018, com os mesmos questionamentos, mudou o resultado colocando a preferência nas soft skills, habilidades comportamentais.

estudo sobre soft e hard skill

 Fonte: The enterprise guide to closing the skills gap: Strategies for building and maintaining a skilled.

 

Não existe receita pronta do profissional “ideal”, mas cada situação, cada empresa e cada vaga vai precisar de um profissional diferente, mesmo que a tendência e preferência seja de soft skills (como mostrada na pesquisa acima). Por isso é importante ter conhecimento sobre si e desenvolver suas próprias habilidades, seja necessário a evolução de soft skills ou hard skills.

Quanto melhor um profissional conseguir juntar essas habilidades, maior será a chance de ser considerado o candidato ideal.

Como é um processo seletivo online?

A tecnologia evolui e influência em tudo a nossa volta. A comunicação online é algo comum em nosso dia a dia pessoal e profissional, junto com isso há o aumento de reuniões online por meio de videoconferências em organizações. Além disso as organizações começam a transformar seus processos seletivos com o auxílio da tecnologia fazendo processos seletivos online.

Esse método é usado principalmente por empresas de tecnologia, logística e startups que buscam, principalmente, profissionais para inovar. Certamente cada vez mais e mais empresas de diversos ramos irão usufruir dessa forma de recrutamento.

Para aplicar esse processo do modo correto, a empresa deve colocar a disposição do seu setor de RH as ferramentas necessárias para a realização de todo o processo e ainda fazer com que os membros do setor aprendam a usar essas ferramentas. Isso fará com que o processo seja executado com menos problemas possíveis.

Para aqueles que buscam vagas de emprego ou estágio não sejam pegos de surpresa é importante saber o que é e como é feito o processo seletivo online.

 

  • O que é um processo seletivo online?

Hoje em dia em um processo seletivo é normal os primeiros passos serem online para depois seguir por um meio presencial. A empresa divulga a vaga na internet, após isso os candidatos enviam o currículo por email. Esses currículos chegam para as empresas que fazem a triagem e então tentam entrar em contato por telefone ou email marcando uma entrevista presencial que dependendo do caso pode ser seguida de testes, provas ou dinâmicas de grupo.

No processo seletivo online, todos os passos são feitos completamente online, desde o envio do currículo até as entrevistas, testes, provas e dinâmicas pertinentes ao recrutamento que esteja sendo feito.

 

  • Etapas do processo seletivo online.

Muitas empresas já adotavam o modelo de seleção online para otimizar o processo seletivo, ganhar tempo e reduzir custos até mesmo de deslocamento dos candidatos.

 

  1. Anúncio

É a divulgação online pública da vaga em aberto na empresa. Na divulgação, indicando a necessidade da contratação de um profissional, também é colocado a informações sobre a vaga e os requisitos que o profissional interessado deve ter para ser um candidato à vaga em questão.

 

  1. Fonte/Banco

Essa etapa é a de recolhimento de currículos dos candidatos à vaga disponível. Esses currículos são disponibilizados via email ou até mesmo, em alguns casos, a partir do banco de dados próprio da empresa ou de algum banco de dados online onde há diversos currículos.

  1. Triagem

Durante a triagem é feita a análise com o objetivo de escolher os currículos com os melhores perfis para a vaga disponível. É analisado histórico escolar, experiências anteriores (caso tenha), identificando habilidades e conhecimento. Essa análise pode variar de processo para processo. Cada processo seletivo escolhe quantos perfis serão contatados para a próxima etapa e na maioria das vezes são no mínimo 3 perfis.

  1. Entrevista online

A entrevista online é realizada por meio de alguma ferramenta de chamada por vídeo (google meet, zoom, skype…) com os candidatos que passaram pelo processo de triagem, visando obter mais informações do candidato além das entregues pelo currículo, conhecer suas qualidades e aspirações. Em alguns casos são feitas 2 entrevistas, uma após a triagem e a outra como etapa final do processo seletivo. Essas entrevistas podem ser realizadas pela própria empresa que está disponibilizando a vaga ou por uma empresa contratada especialista em recrutamento e seleção.

  1. Técnicas de processo seletivo

São técnicas aplicadas pelo selecionador para avaliar as habilidades buscadas no candidato. Normalmente em um processo seletivo são usadas dinâmicas de grupo, provas situacionais ou avaliações psicológicas, mas durante o processo seletivo online, dinâmicas de grupo são muito menos prováveis. Às vezes é utilizada apenas uma técnica e em outros casos são usadas várias; Com isso, esteja sempre preparado para o que vier. As provas e testes podem ser feitos durante a videoconferência ou por meio de ferramentas de formulários online como no Google Forms por exemplo.

  • Dinâmica de grupo – São diversas atividades aplicadas com o objetivo de analisar o desempenho do candidato em equipe e detectar comportamentos e competências compatíveis ao cargo pretendido pelo candidato. Durante as atividades, o selecionador observa o desempenho de cada integrante. Essa técnica é difícil de acontecer em processo seletivo online.

  • Provas situacionais – Na maioria das vezes são simulações de problemas rotineiros ocorridos na empresa em que o candidato deverá atuar como se já estivesse contratado. Quanto mais alto o cargo, menor a possibilidade de o selecionador aplicar testes como esses. Eles são bastante utilizados para a contratação de trainees e estagiários.

  • Avaliação psicológica – São diversos testes aplicados durante o processo seletivo para analisar aspectos da intelectualidade, personalidade e a coordenação motora do candidato. Nem todas as empresas aplicam testes deste tipo. Eles não são eliminatórios, podem parecer estranhos, mas sempre seja sincero nas respostas. Nunca menospreze ou se recuse a fazê-los. Eles são apenas formas de confirmar o resultado das entrevistas e visam auxiliar os selecionadores a escolher o melhor perfil. Lembre-se, não há respostas certas ou dicas para preenchê-los. Use apenas a sinceridade.

 

  1. Devolutiva ou Feedback

É uma resposta dada ao candidato sobre o seu desempenho e a sua situação no processo. Por meio do feedback, o candidato pode saber os motivos pelos quais ele foi ou não escolhido pela empresa. Infelizmente é muito pouco utilizada.

 

  1. Carta de agradecimento

É uma correspondência que algumas empresas mandam para agradecer a sua participação no processo seletivo. Menos ainda utilizado que a devolutiva ou feedback.

 

 

  • Dicas para candidatos em processo seletivo online.

A preparação para um processo seletivo ou entrevista de emprego, necessita de alguns cuidados, para um processo seletivo online não é diferente.

  1. Ambiente apropriado

Escolha um local onde você não seja interrompido, com menos barulho e organizado para quando for realizar a chamada por vídeo durante o processo seletivo online.

 

  1. Aparência

Apesar do processo ser online, é importante estar com aparência e roupa como se fosse para um processo seletivo presencial.

  1. Atento a internet e a ferramenta

Teste a internet para que não tenha surpresa na hora da chamada de vídeo e faça o mesmo com a ferramenta que será usada, veja se seu cadastro está feito e com um contato profissional.

 

  1. Concentração

Esteja concentrado no processo seletivo, desative notificações do computador e celular, deixe o celular no silencioso e solicite aos seus familiares o menor barulho possível.

  1. Esteja preparado

Assim como em um processo seletivo presencial, esteja preparado, estude a empresa e sobre a vaga para estar mais seguro.

Um processo seletivo, independentemente de ser presencial ou online, tem de ser levado com seriedade, pois é algo que pode fazer muita diferença em sua vida profissional independente da resposta positiva ou negativa. Com a resposta positiva, você conquista a vaga e com a resposta negativa, você ganha experiência.

O que todos precisa saber sobre o home office?

Desde o início da pandemia, em 2020, muitas empresas adaptaram a forma de trabalho remoto, principalmente em função de medidas restritivas do governo e lockdown. Algumas se acostumaram e implementaram como definitivo o método de trabalho por home office, outras não se adaptaram ou acharam efetivo o método.

A verdade que a pandemia continua e algumas cidades impõem restrições mais severas, outras entram em lockdown e cada uma vai tratando da situação a sua maneira, isso faz com que empresas mudem seu formato de trabalho e ainda algumas voltem ao home office.

Existe também as crenças sobre o home office, onde muitos acreditam que essa forma de trabalho é uma maravilhosa e sonho de todo trabalhador, por outro lado existem os pessimistas que pensam que os profissionais não sabem trabalhar de casa; Mas a realidade é que o home office aumenta sim o bem-estar e produtividade dos profissionais, dependo assim, da disciplina e organização de cada profissional, traçando metas, objetivos diários e foco.

De qualquer forma o modo de trabalho remoto é uma oportunidade tanto para empresa quanto para o profissional. A empresa tem a oportunidade de redução de custos nos gastos operacionais e despesas administrativas. O profissional que exerce o home office pode mostrar maior produtividade no conforto da sua casa e evitando principalmente o desgaste do deslocamento até o local de trabalho.

Cada empresa deve analisar seu home office, vendo a possibilidade de manutenção desse modo de trabalho. Caso seja algo viável, planejar a estruturação do modo de trabalho remoto para a execução e cada profissional deve se preparar para exercer esse método de trabalho.

Aqui iremos passar algumas informações sobre home office para ajudar empresas, profissionais, estagiários, freelancers e todos que usam ou usarão esse método de trabalho.

 

  • 5 verdades sobre o home office.

Todos já sabem que home office significa “escritório em casa”, onde profissionais, geralmente acostumados a trabalhar em um escritório, passam a exercer sua função na maioria das vezes em casa, mas existem algumas coisas sobre essa forma de trabalho que todos devem estar cientes.

 

  1. Home office não é para todos

Existem funções em que o home office não é possível de ser executado. Há diferentes cargos onde a forma presencial é importante e não poder ser evitado, e há outros casos em que a organização não possui a devida estrutura para o modo de trabalho remoto.

 

  1. Home office não significa “trabalhar pouco e ganhar muito”

A realidade é que o trabalho remoto costuma ser mais intenso que o trabalho presencial. A pressão por entregas dentro de prazos e mostrar serviço acaba gerando uma sobrecarga e estresse em alguns.

A realidade é que o trabalho remoto costuma ser mais intenso que o trabalho presencial. Se você for autônomo, ou freelancer, acaba ganhando por entrega e acaba se dedicando mais ao trabalho, e se você é um colaborador de uma organização acaba tendo um trabalho muito mais contínuo graças as faltas de interrupções de um escritório e a importância de metas.

 

  1. Nem sempre o home office é 100% remoto

Mesmo em home office, provavelmente você deverá que estar presencialmente em sua organização em algum momento, como por exemplo em reuniões.

Algumas empresas gostam de alinhar estratégias e manter o vínculo das pessoas. Por mais que isso possa ser feito por meio de videoconferências, o fator humano continua insubstituível nas relações profissionais.

 

  1. Pijama e pantufa não se adequam ao trabalho remoto

Em um primeiro momento, trabalhar de pijama e pantufa, parece algo incrível, mas pode parecer estranho, mas as roupas têm grande influência em nosso comportamento.

O desleixo ao trabalho pode nos deixar negligentes comprometendo nossa produtividade e seriedade quanto ao nosso trabalho.

Outra coisa é que nossos gestores e líderes podem pedir uma videoconferência sem um prévio aviso e você estar de pijama provavelmente não será bem-visto.

 

  1. Disciplina é extremamente importante

O profissional deve entender que ele está trabalhando, mesmo que em casa, tendo que cumprir sua carga horária e evitar distrações em um ambiente favorável, que permita executar sua função profissional e a família estar ciente auxiliando a situação.

  • 6 Dicas para melhorar seu home office

O trabalho remoto em casa deve ser mais produtivo que o trabalho presencial. Para que você tenha alta produtividade mesmo trabalhando em casa, é importante você ter sua rotina e regras para isso. Veja algumas dicas para melhorar sua produtividade em casa.

 

  1. Evitar interferências

O principal desafio do home office é evitar as interrupções no trabalho, nossas casas são lugares cheio de interferências que podem causar interrupções.

É importante ter a contribuição de seus familiares. Deixe todos claros que durante o seu expediente de trabalho você não pode ter interrupções.

Outra interrupção que pode ser perigosa são as notificações das redes sociais. As redes sociais podem nos distrair muito e acabamos por diminuir nossa produtividade em função disso. Então fiquem atentos.

 

  1. Escolha um local silencioso

Preferencialmente você deve montar seu escritório em casa em um local silencioso e isolado dos demais. Mantenha o local limpo, organizado e tranquilo para que seja mais confortável que o local que você trabalha em sua empresa.

 

  1. Cumpra seu expediente

Estabeleça um horário de início e fim de expediente do seu home office. Independente do período que você escolha, sempre cumpra sua carga horária.

Sem um horário fixo, você pode perder controle entre sua vida pessoal e profissional, pode comprometer sua produtividade e ser negligente.

 

  1. Tenha as ferramentas necessárias

Você deve estar de posse de ferramentas para execução desse modo de trabalho como móveis confortáveis e um computador que atenda suas necessidades. Câmeras e microfones de qualidade podem ajudar também.

 

  1. Internet e backup

Contrate um serviço de internet rápido e principalmente estável. O dinheiro que estará sendo economizado do transporte e alimentação pode ser investido na sua internet. A estabilidade da internet é uma grande aliada desse modo de trabalho e fundamental para comunicação e troca de arquivos com a empresa.

O backup e utilização da nuvem é obrigatório para que seja preservado seu trabalho.

 

  1. Se mexa

Em nosso local de trabalho presencial, estamos sempre se mexendo, seja para o almoço, pausa para o café ou interagir com os colegas de trabalho. É fato que em casa acabamos diminuindo as interrupções e trabalhando mais intensamente, durante o home office, mas isso não quer dizer que você deve ficar horas e horas direto sentado.

Faça pausas para se alongar, cuidar de sua postura e evite longos períodos sem se mexer. Uma possibilidade é incluir pequenas atividades físicas em sua rotina.

 

  • 6 itens para ajudar no home office

Diversos objetos podem ajudar na organização e produtividade no escritório, obviamente que no home office não é diferente.

  1. Suporte para notebook (caso use um notebook)

Com um suporte de notebook você pode alterar a altura e posição de seu equipamento para que fique na altura correta de acordo com sua postura.

Esses suportes geralmente vêm com cooler o que ajuda a manter a máquina sempre resfriada.

 

  1. Teclado e mouse (caso use um notebook)

Um teclado e mouse externo pode ser mais ergonômico e confortável do que utilizar o teclado e mousepad de um notebook por exemplo. Além disso podem diminuir o desgaste de seu notebook e evitar os chatos esbarrões no mousepad.

 

  1. Segundo monitor

Um estudo feito pela Samsung revelou que o uso de uma segunda tela pode aumentar a produtividade de um colaborador em até 28%.

Obviamente um segundo monitor irá aumentar seu campo de visão sobre as informações e lhe dar maior agilidade em suas tarefas.

 

  1. Fone de ouvido

Para quem trabalha com funções de audiovisual é uma peça imprescindível, mas também há as pessoas que trabalham melhor ouvindo música e podem se beneficiar disso.

  1. Cadeira

A cadeira é um item muito importante para sua produtividade. Ela é quem mantem você confortável para manter a atenção e energia para a execução de suas atividades.

Pense na cadeira como um investimento a longo prazo para sua saúde e qualidade de vida.

 

  1. Bloco de notas

O bloco de notas pode ser físico ou de alguma ferramenta digital. De qualquer forma ele pode te ajudar a estar sempre atualizado sobre suas tarefas, pendencias e ideias, diariamente.

Com essas informações esperamos que o seu home office melhore aumentando sua produtividade e principalmente sua satisfação quanto a esse método de trabalho.

Qual a diferença do programa de estágio e trainee?

Muita gente não entende a diferença entre estágio e trainee e não é uma dúvida apenas de estudantes, inclusive muitos acreditam que são a mesma coisa com nomes diferente, porém, são coisas muito diferentes, inclusive perante a lei. Mas o que esses dois programas têm em comum é que ambas podem ser a porta de entrada para o mercado de trabalho.

É importante que os estudantes e candidatos a esses programas saibam diferenciá-los para que procurem as melhores oportunidades e não percam tempo em processos seletivos que não se encaixam com seu momento.

 

  • O que é Estágio?

Um programa de estágio contrata um estudante para exercer uma função que tenha relação com a graduação feita pelo estudante, porém essa contratação não gera vínculo empregatício e tem duração máxima de 2 anos. Esse estagiário deve ser acompanhado por um profissional supervisor para ajudar no desenvolvimento desse estudante e ao final do contrato, o estagiário poderá ser efetivado e se tornar um funcionário regular.

 

  • O que é Trainee?

Em um programa de trainee, há a preferência pela contratação de um estudante que esteja próximo da formação ou alguém recém-formado para que participe de um treinamento próprio para ocupar um cargo preestabelecido pela empresa. O trainee é contratado como um funcionário normal da empresa.

 

  • As diferenças entre estágio e trainee.

Apesar dos programas focarem em jovens e estudantes, há suas diferenças que demonstram que não podem ser considerados sinônimos, por exemplo, o estágio é feito por alguém que está cursando o ensino superior e pode ser remunerado ou não, enquanto no trainee o contratado está finalizando ou acabou de ser graduado e sempre será remunerado.

Veja abaixo mais algumas diferenças entres as formas de contratação:

 

ESTÁGIO

TRAINEE

OBJETIVO

O objetivo do estágio é complementar o que o estudante aprende em sala de aula, juntando a teoria com a prática.

No trainee o contratado é colocado em um treinamento para uma vaga específica dentro da empresa, muitas vezes para uma posição de líder.

GRADUAÇÃO

Para o estágio, o candidato deve estar cursando o ensino superior.

Não há regra específica, mas geralmente o candidato está finalizando a graduação ou é recém-graduado.

REGULAMENTAÇÃO

Os estágios são regulamentados pela Lei do Estágio (Lei nº 11.788/2008).

O trainee não tem uma regulamentação específica e por isso seguem as leis trabalhistas vigentes.

CARGA HORÁRIA

No máximo 30 horas semanais.

Mesma carga horária de funcionários CLT.

DURAÇÃO

Um estágio tem duração de 6 meses, podendo ser renovado até que complete um máximo de 2 anos na mesma empresa. Há a possibilidade de efetivação após o período de estágio.

O período de trainee geralmente tem duração de 2 anos, mas pode variar em cada caso, e na maioria das vezes o profissional é mantido na empresa.

 

  • Quando se candidatar a um estágio ou trainee?

Acima já foi mostrado o que é e as diferenças entre os dois programas, com isso, para cada modo há momentos mais indicados para concorrer a essas vagas.

No estágio – Os casos podem variar, mas geralmente as empresas buscam candidatos que estão cursando o ensino superior a partir do 4º período em diante, já que com isso o candidato tem alguma noção da área exercida, graças aos aprendizados em sala de aula e ainda tem em torno de, 2 anos de graduação que dará oportunidade de renovação de contrato de estágio. Assim, a empresa aproveita o período completo de estágio do candidato.

No trainee – Os casos também podem variar, mas a preferência é para candidatos com a graduação mais recente possível até no máximo de 2 anos de graduado, mas há casos em que a empresa aceita candidatos em que estão próximos de se formar.

Independentemente da vaga em que for se candidatar, quanto melhor a formação, maiores são as chances de conquistar a vaga. Investimento em cursos de idiomas, cursos profissionalizantes ou extracurriculares podem ajudar.

 

  • Quais as vantagens de fazer um estágio?

Para muitos o estágio acaba sendo a porta de entrada para o mercado de trabalho e isso faz com que o estudante ganhe experiência que pode ser colocada em seu currículo e aprenda a parte prática do curso que vem aprendendo a parte teórica. Toda essa experiência é uma das principais vantagens de se fazer um estágio.

Além dessa experiência em alguns casos o estágio pode ser remunerado e uma ajuda financeira sempre é bem-vinda.

 

  • Quais as vantagens de fazer trainee?

O trainee, como já foi dito, é focado no treinamento do candidato para se tornar um profissional “ideal” para uma vaga específica dentro da empresa e por isso uma das vantagens são os diversos treinamentos e cursos que o profissional tem acesso, com isso trazendo um grande desenvolvimento pessoal.

Outra grande vantagem é que geralmente a remuneração para as vagas de trainee é considerada alta, em alguns casos chegando a mais de R$7000,00. Essa experiência também melhora muito a visibilidade profissional, pois os participantes desses programas ganham muita credibilidade.

 

  • Procuro um programa de estágio ou trainee?

Um estágio vai colocar o seu aprendizado teórico na prática, para quem quer entrar no mercado de trabalho é uma ótima opção. Os estágios, em alguns casos, têm uma pequena remuneração, mas sem vínculo empregatício, tem uma menor responsabilidade e o trabalho é supervisionado por um profissional experiente.

No trainee, as empresas procuram um candidato considerado “ideal” para no futuro da empresa ocupar cargos juniores ou até de líderes. A remuneração e as responsabilidades são maiores. Há menos vagas desse tipo e são muito concorridas.

Os candidatos podem até participar de ambos os programas, não ao mesmo tempo. Um estagiário pode passar por um processo seletivo e migrar do estágio para um trainee desde que faça a rescisão do estágio de maneira correta.

 

  • Dicas para conquistar vaga de estágio.

Para muitos jovens o estágio é a porta de entrada para o mercado de trabalho, por isso a falta de experiência é algo comum entre os candidatos. Mas você pode colocar experiências acadêmicas e trabalhos voluntários.

Lembre-se sempre também de pesquisar bem sobre a vaga e a empresa por qual irá fazer a entrevista ou processo seletivo. Durante o processo seletivo e entrevistas, não deixe de ser sincero, não minta sobre suas habilidades e conhecimento.

 

  • Dicas para conquistar vaga de trainee.

A concorrência para uma vaga de trainee e alta é por isso merece atenção. Organize muito bem seu currículo deixando claro seu objetivo, mostrando sua experiência, capacidade, conhecimentos técnicos e habilidades adquiridos na faculdade. Ter nível avançado em inglês ou outra língua pode ser diferencial e em casos de grandes empresas é uma exigência.

Um processo seletivo pode durar dias em alguns casos, por isso esteja preparado. Nesses processos irão testar suas competências, trabalho em equipe e habilidade de liderança.

Dicas de estudo e fixação de aprendizado

Um grande problema para diversos estudantes é o fato de utilizar horas e mais horas e não conseguir armazenar as informações que foram absorvidas. Há momentos em que o estudante fica simplesmente frustrado com a situação. Porém as vezes o problema não é quantidade de horas estudadas e sim a qualidade de como foi estudado.

Ainda assim é um fator muito importante a dedicação do estudante, pois o material estudado não será facilmente armazenado em seu cérebro. Além da dedicação, há dicas para melhorar a qualidade dos estudos e técnicas de fixação de aprendizado que muito ajudam.

Antes de entrar nas dicas e técnicas de aprendizado vamos primeiramente entender o que é curva do esquecimento, para entender um pouco mais sobre nosso cérebro.

 

  • Curva do Esquecimento

Em 1885 o psicólogo alemão Hermann Ebbinghaus apresentou a teoria da Curva do Esquecimento que apresentava em um gráfico a quantidade de informações que o cérebro é capaz de armazenar ao longo de um determinado período. Ainda hoje, sua teoria é aceita no campo de estudos sobre a memória e aprendizado do cérebro.

Gráfico da Curva do Esquecimento

Todos temos, naturalmente, uma boa capacidade de memória; A diferença que uns tem essa capacidade mais trabalhadas do que outros, porém também temos a capacidade natural de esquecer grande parte da informação absorvida/memorizada ao decorrer do tempo e é exatamente isso que a teoria da Curva do Esquecimento diz.

Após estudar algum conteúdo, nosso cérebro absorve toda a informação e ela fica fresca em sua memória. Com o tempo a informação vai sendo perdida/esquecida e com 20 minutos após a informação ter sido memorizada seu cérebro retem apenas cerca de 42% do aprendizado. Após uma hora o cérebro já perdeu mais da metade do conhecimento absorvido. Com um mês sem revisar o conteúdo, apenas menos de 10% do conteúdo continua no cérebro.

Nosso cérebro não pode manter toda informação aprendida armazenada, isso faria ele sobrecarregar e para evitar exatamente isso ele vai descartando as informações consideradas “desnecessárias” ao longo dos dias.

Infelizmente a Curva do Esquecimento é algo natural do funcionamento do cérebro e não pode ser impedida, mas também não quer dizer que o estudante deve simplesmente aceitar esse fato. A maneiras de minimizar seus efeitos com técnicas de estudo que ajudam a trabalhar a memória e melhorando a fixação do aprendizado no cérebro.

 

  • 5 Técnicas para fixação de aprendizado

Essas técnicas são eficientes ferramentas para ajudar o estudante a reduzir o esquecimento de conteúdo aprendido.

 

  1. Resumos

Fazer resumos do conteúdo aprendido é considerado a melhor forma de reduzir a curva de esquecimento. Fazendo um resumo do material aprendido você obriga o cérebro a processar a informação absorvida para criar um material simplificado da informação.

Para essa técnica ser eficiente o resumo deve ser feito com o que você realmente entendeu e esse resumo deve ser realmente um resumo, de preferência de uma página no máximo, não adianta copiar trechos de onde foi feito o estudo.

Os resumos devem ser revisados para melhorar a fixação do conteúdo e com resumos pequenos para, exatamente, ajudar isso.

Vale lembrar que os mapas mentais também contam como resumo e ajudam demais na memorização de conteúdo. Mapas mentais são resumos em forma de diagramas onde informações e desenhos são ligados ao tema central.

 

  1. Revisão

Para ter maior probabilidade de memorizar o que foi estudado. A primeira leitura feita pode ser considerada uma forma de introdução ao material e nas próximas leituras que você começará a fixar as informações.

Como dito acima, pode ser feita também a revisão dos resumos feitos do material aprendido que é melhor do que reler um material completo.

 

  1. Simulados

Fazendo simulados você testa seu cérebro para poder fixar o conteúdo. Enquanto estuda, faça pequenos exercícios ou testes no meio do aprendizado, fazendo esses exercícios em meio aos estudos, vai mostrar ao cérebro que você está usando aquela informação e que precisará dela, fazendo-a ser mais fácil de ser lembrada.

 

  1. Auto Explicação

Na auto explicação você irá fazer isso mesmo, fale em voz alta para você mesmo o que entendeu do material estudado como se estivesse explicando para outra pessoa. Lembre-se que você não deve ler e sim explicar o que você absorveu do aprendizado.

Essa técnica tira o cérebro da mesmice de apenas leitura e faz ele processar o que tem aprendido.

 

  1. Acrônimos

Acrônimos são siglas que você inventa para facilitar a recordação sobre algo. Usando, geralmente, as iniciais das palavras relacionadas ao tópico para poder lembrar de forma mais rápida o conteúdo estudado.

 

  • Dicas para melhorar a qualidade de estudo.

Apesar das técnicas anteriores ajudarem na fixação do conteúdo, nada vai adiantar se você não tiver um local ou momento para poder estudar, sendo assim, mesmo usando as técnicas anteriores você não vai fixar da maneira correta o aprendizado.

Qualquer tipo de distração poderá ter um grande efeito negativo sobre seu aprendizado, pois nada será fixado. O momento e ambiente ideal é extremamente importante para o desenvolvimento do aprendizado. As dicas para melhorar a qualidade do seu estudo são:

 

  1. Ambiente

O ambiente a nossa volta sempre vai exercer influência sobre nosso comportamento e para estudar isso não é diferente. Procure o ambiente ideal e esse ambiente deve ser bem iluminado (de preferência com luz solar, se possível), local com menos ruído possível (também pode ser usado protetores auriculares ou até um fone para poder abafar o som), limpo e organizado, já que a sujeira e a bagunça podem nos distrair sem que notemos.

Outra coisa muito importante é lembrar que o local de escudo deverá ser em uma mesa e uma cadeira, nada de estudar na cama ou no sofá.

Passamos grande parte da vida estudando assim (colégio, escola, curso, faculdade…) e nosso cérebro está acostumado a isso, nos mantendo mais concentrado nesses momentos. Isso vale para quando estamos em uma cama ou sofá, nesses locais o cérebro entende como local para relaxar e nos deixa menos concentrados.

 

  1. Rotina

Manter uma rotina para os estudos irá condicionar corpo e mente a ficarem mais concentrados naquele momento, pois o cérebro saberá que aquele momento é para estudar.

Um plano de estudo vai ajudar a criar essa rotina de estudos para, além de organizar o que será e precisa ser estudado, manter o cérebro concentrado no aprendizado no horário que está determinado para a rotina de estudos.

 

  1. Não seja seu vilão

Nada adianta você tentar estudar sem ter disposição para isso. Devemos nos incentivar, criar objetivos e nos motivar para realmente absorver o aprendizado.

Esvazie o cérebro, evite pensamentos negativos, não pense que estudar é chato, desligue o celular ou qualquer outro objeto que possa tirar a atenção. Pense que todo esse estudo é algo importante para si, que isso pode fazer a diferença para alcançar seus sonhos e tenha pensamento positivo.

Você sempre poderá ser seu maior vilão, então lute contra isso.

 

  1. Corpo preparado

O corpo também pode fazer uma grande diferença na hora dos estudos. Sua saúde é muito importante para sua qualidade de vida e de estudo também. Quando seu corpo está com algum problema, o cérebro se preocupará primeiro com sua melhora e depois com seus estudos.

Mantenha a postura correta, já que muito conforto ou desleixo poderá se tornar um convite para o cérebro relaxar e a postura incorreta poderá fazer você sentir dores e incômodos que acabarão com a concentração.

Os exercícios físicos também podem ajudar no desenvolvimento dos estudos, como já foi citado anteriormente nesse blog, durante atividades físicas, o corpo naturalmente produz mais serotonina e endorfina, neurotransmissores relacionados à sensação de bem-estar e que ajudam a reduzir o estresse e a ansiedade, que ajuda a memória e melhora a capacidade de raciocínio rápido.

Essas dicas e técnicas podem te ajudar muito a melhorar seus estudos e tirar o máximo desses momentos de aprendizado.

Planejamento pessoal

Hoje estamos sempre com muitas responsabilidades, seja na vida pessoal, acadêmica ou profissional e em muitos momentos sentimos que não é possível dar atenção a todos os aspectos de nossa vida.

Há momentos em que dedicamos muito tempo para algo e não nos sentimos recompensados por essa dedicação. Isso é uma sensação comum para quem geralmente não gerencia bem seu tempo e na verdade está focando em ações que estão envolvidas com o objetivo. Continuar a gastar energia sem foco não trará mudanças.

Elaborar um projeto, um planejamento pessoal, é o que pode fazer a diferença na hora de realizar seus objetivos. Podemos imaginar o planejamento pessoal como um processo de autoconhecimento sobre vários aspectos da sua rotina, especialmente aqueles que você considera mais problemáticos ou críticos, definir objetivos, priorizar ações entre outras partes que estarão em conjunto para alcançar os objetivos traçados.

 

  • O que é planejamento pessoal?

Um planejamento pessoal é uma ferramenta que usamos para organização pessoal definindo metas e objetivos para um certo período determinando as ações e estratégias para realizá-los. Dentro desse planejamento, além de objetivos, metas, ações e estratégias deve constar os recursos e prazos para a realização de cada definição específica.

Quanto mais detalhado for o planejamento, melhor será para segui-lo, pois deixará menos espaço dúvidas, imprevistos e distrações e assim mantendo o foco nos objetivos e metas definidas. Mesmo que aconteçam mudanças repentinas ou imprevistos do dia a dia, tendo um planejamento pessoal, é possível se adaptar a situações adversas com maior facilidade reduzindo as consequências negativas desses imprevistos.

 

  • Qual a Importância de fazer um planejamento pessoal?

O planejamento é uma ferramenta que pode fazer a diferença em qualquer setor da vida, seja pessoal, profissional ou empresarial, pois com um objetivo e metas definidas, entendendo o que se tem feito e o que deve ser feito fica mais claro o que deve ser feito para saber o que é possível e em quanto tempo é possível fazer. Isso faz com que grandes erros sejam evitados e os erros menores provoquem menos prejuízos ainda, dando uma melhor adaptação ao percurso planejado.

Ou seja, com o planejamento pessoal, você consegue organizar melhor o seu dia, cumprir prazos, aumentar seu nível de produtividade, otimizar o tempo disponível, parar de procrastinar, buscar alternativas para continuar estudando e se aperfeiçoando etc. Aumentando a possibilidade de sucesso em tudo que seja almejado.

 

  • Ferramentas para ajudar a fazer planejamento pessoal.

Existem algumas ferramentas que podem auxiliar na hora de fazer o planejamento pessoal. Tornando mais fácil o desenvolvimento e ajudando no processo. Algumas dessas ferramentas são:

 

Análise de forças e fraquezas

A análise SWOT (ou FOFA) que é muito utilizada no mundo empresarial, também pode ser utilizada para o pessoal. Utilizando essa análise é possível identificar suas forças e fraquezas auxiliando no autoconhecimento. Ainda com a análise SWOT tente prever oportunidades e ameaças que podem acontecer durante seu percurso.

 

Controle financeiro

Para muitos objetivos é necessário recursos financeiros e para arcar com os custos de seus objetivos é importante saber usar seu dinheiro. Poupar salário e conseguir uma renda extra podem ser de grande ajuda, mas isso não quer dizer que não poderá gastar com lazer, é importante ter um equilíbrio para ter uma vida saudável e feliz.

Em auxílio ao controle financeiro é interessante o uso de planilhas de controle ou até o uso de softwares de controle financeiro que hoje são muitos pela internet.

 

Planners

Os planners são ferramentas já usadas para organização pessoal ou de equipes, muito utilizados para maior produtividade e eficiência em diversos setores.

Com o auxílio da tecnologia, hoje esses planners podem ser facilmente utilizados pelo celular, sem necessidade de ser salvo no computador o que ajuda estando em nuvem podendo ser utilizado em qualquer lugar e a qualquer hora.

  • Como fazer o planejamento pessoal.

Para que o planejamento pessoal seja bem feito, é necessário que seja completamente sincero com você mesmo. Esse projeto não deve ser feito apenas por fazer e sim para ser feito sabendo que é algo para sua vida e que irá fazer diferença para você mesmo. É preciso estar disposto a assumir novos compromissos e talvez abdicar de outros.

Algumas atitudes podem auxiliar na construção desse planejamento, como:

 

  1. Autoconhecimento

Antes de por objetivos, ações e estratégias no papel, é importante fazer uma reflexão sobre si, entender a sua identidade.

Deve responder perguntas como se você está utilizando todo seu potencial, se o dinheiro que você ganha é bem utilizado se o seu tempo poderia ser melhor utilizado, como estão seus relacionamentos e outras questões buscando o autoconhecimento.

 

  1. Defina metas e objetivos

Todo plano precisa de um objetivo, uma direção, e com o planejamento pessoal não é diferente. Defina objetivos e metas que podem ser mesuráveis com quantidades, valores e prazos que sejam possíveis ser cumpridos.

Seus alvos devem ser realistas para que você possa desenvolver um plano para tal.

  1. Plano de ação

Com seus objetivos e metas definidos, devem ser colocadas no papel as ações que serão tomadas para alcançar seus alvos, essa fase é muito importante.

Muitos tem objetivos a alcançar, mas não traçam planos com passo a passo para alcançar esses objetivos e isso acaba sendo um dos motivos de nunca sair do lugar ou avançar menos do que o esperado.

No planejamento pessoal deve ser descrito ações pensadas e concretas, focadas no objetivo listando as atividades necessárias para concretização dos objetivos. Sempre definido prazos para essas ações, para que não sejam deixadas de lado.

 

  1. Controle

Após a finalização do planejamento é importante definir como terá o controle sobre o planejamento e como fazer o monitoramento do plano, para isso deve ser definido indicadores e métricas de desenvolvimento para acompanhar o andamento do plano.

Além de indicadores e métricas, deve ser definido com que frequência deve ser feito esse acompanhamento como por exemplo, semanalmente, quinzenalmente ou da forma que preferir, mas esse período deve ser mantido e um tempo de pelo menos 10 minutos para verificação do controle do plano.

A intenção de fazer esse controle regular é para identificar desvios ocorridos no plano, possíveis erros, potencializar os pontos positivos e possíveis acelerações do plano.

Estar atento a evolução do seu planejamento é extremamente importante para a execução dele.

  • Seja Realista

Ser realista é diferente de ser pessimista. Mantenha os pés no chão e tenha noção do que realmente pode ser alcançado. Sonhe com o que você quer e pode ser alcançado para assim estar motivado para os desafios que esse planejamento pode trazer, caso contrário o planejamento pessoal poderá trazer desmotivação para o futuro.

Acredite em si e verá do que você é capaz.